Música

Nos Alive 2015 – Os Melhores Concertos

loading...

O Nos Alive 2015, regressou mais uma vez ao Passeio Marítimo de Algés, para aquela que foi a nona edição. Decorreu no dias 9, 10 e 11 de Julho e contou com alguns nomes muito conhecidos do grande público tais como Muse, The Prodigy, Mumford & Sons e Sam Smith, no entanto como vem sendo habitual não são descurados alguns nomes consagrados e emergentes da música alternativa dos quais destaco Future Islands, Metronomy, The Wombats, Django Django, Alt-J, James Blake, Bleachers, The Jesus & Mary Chain e Mogway. Realizando-se em Portugal e assumindo-se como o maior festival urbano do nosso país, as bandas portuguesas não são esquecidas, pude assim assistir a concertos de Dead Combo, Les Crazy Coconuts, Blasted Mechanism e X-Wife, entre outros.

De todos os concertos que assisti, elaborei uma lista com os que mais se destacaram e se assumiram como os melhores concertos do Nos Alive 2015. Como é sabido, a minha tendência natural prende-se com a música alternativa, o que não me impede contudo de saber avaliar um grande concerto por si só mesmo que não se enquadre no meu género musical predilecto, assim o destaque vai para as seguintes actuações, sem qualquer ordem específica:

Muse – 9 de Julho: aproximadamente 5 minutos após a hora marcada subiam ao palco os tão aguardados Muse, e a abrir o single do último disco Drones, “Psycho” e logo ali mostraram ao que vinham: rock épico e o regresso às origens após alguns devaneios de aproximação à electrónica. Os Muse são uma máquina bem oleada, continuam a ter a alegria e a vontade de estarem juntos em palco e isso nota-se do primeiro ao último acorde. São sem sombra de dúvidas uma das melhores bandas ao vivo do mundo e no Passeio Marítimo de Algés voltaram a demonstrá-lo. Muito mais que um concerto é um espectáculo visualmente impressionante, apesar disso não se esquecem do que é importante, a música, e nisso são excelentes executantes, o que fica bem patente nos inúmeros solos instrumentais. A voz de Matt é impressionante ao vivo, parece que estamos a ouvir um disco no conforto do lar. Entre bolas gigantes e chuvas de serpentinas, passaram pelos grandes êxitos, e defenderam com mestria o mais recente disco. Houve tempo até para uma versão mais lamechas de “Madness”, tema que admito não nutrir especial apreço. “Time Is Running Out”, “Starlight”, “Plug In Baby”, não faltaram, e do novo disco destacamos a brilhante “Reapers” que ao vivo assume contornos de hard rock. Finalizaram com “Mercy”, mas voltaram para um encore revivalista ao som de “Uprising” e despediram-se novamente com o hino “Knights of Cydonia”. Admitem regressar em 2016 para um concerto em nome próprio, desde que voltem assim, são sempre bem-vindos.

Metronomy – 9 de Julho: os Metronomy deram provavelmente o melhor concerto do dia, rivalizando com os Muse. Diz o ditado que não devemos voltar ao sítio onde um dia fomos felizes, mas a banda inglesa fez isso e voltaram a ser felizes, concerto memorável com um final apoteótico. A primeira grande enchente do palco secundário. Os temas do último e maravilhoso disco “Love Letters” foram celebrados em êxtase: “Love Letters”, “I’m Aquarius”, “Reservoir” e “Upsetter”, no entanto os clássicos não foram esquecidos e o público reagiu com momentos de histeria em “”The Look”, “Heartbreaker” e “A Thing For Me”. Prometeram regressar em breve, fico ansiosamente à espera.

Bleachers – 10 de Julho: uma estreia no nosso país e que estreia… Poucos poderia imaginar que antes das 20 horas já teria iniciado um dos melhores concertos do dia se não mesmo o melhor. Os Bleachers são americanos e praticam um indie pop descomprometido, mas que ao vivo assumiu contornos memoráveis. A comunhão foi perfeita: a banda, o público e o ambiente. A banda foi explosiva, descontrolando-se inúmeras vezes numa alienação que foi conquistando aos poucos cada membro do público ali presente. Com apenas um disco editado, Strange Desire, que apesar de ser bom não é brilhante, nada disso importou para Jack Antonoff e companhia que conseguiram elevar a mais simples das músicas a um patamar quase épico. Para isso toda a banda contribuiu em igual medida desde um baterista energético, a um baixista louco, passando por um saxofonista com uns pulmões que não devem ser humanos e terminando no vocalista que se transformou num autêntico animal de palco. Relembro que, para os mais atentos, o vocalista Jack Antonoff tem uma cara familiar, talvez por ser o guitarrista dos Fun.
O seu debut foi revisitado com mestria e não se esqueceram de “Like a River Runs”, “Rollercoaster”, “Shadow” e a orelhuda “I Wanna Get Better” e ainda tiveram tempo para relembrar os Fleetwood Mac com “Go Your Own Way”. O momento alto: todo o concerto. A banda estava a ter tamanha recepção e fez por merecer todo o carinho transmitido pelo público, conquistaram os fãs e deixaram os que desconheciam a sua música, absolutamente rendidos. Repetiram vezes sem conta que este foi o melhor concerto de toda a tour e sem dúvida o melhor público, e se normalmente desconfio de tal afirmação, aqui não tenho a menor das dúvidas. Para os presentes fica a sensação que estiveram perante um daqueles momentos raros de perfeita sintonia entre banda e público que resulta em algo mágico. Voltem depressa, após este concerto inesquecível!

Future Islands – 10 de Julho: MAGNÍFIC! Um dos concertos mais aguardados da noite, o regresso da banda americana de rock alternativo/synthpop, que apesar de existirem quase há 10 anos, passaram do anonimato para o sucesso planetário graças ao último e extraordinário disco “Singles” editado pela prestigiada 4AD. Há ainda um momento marcante na carreira dos Future Islands, e que contribuiu para atingirem o grande público: uma actuação memorável, e a habitual irreverência, do vocalista em directo na televisão americana no programa de David Letterman. O palco Heineken registou mais uma enchente e desta vez foram atacados pelo carismático vocalista, autêntico bombardeiro, Samuel Herring. É impossível falar dos Future Islands sem destacar o seu frontman, ele é explosivo, excêntrico, incendiário, provocatório, teatral e além disso ainda canta e dança como se a sua vida dependesse disso. O público foi levado ao rubro e o concerto foi um dos melhores do dia, mas isso já seria de esperar, pelo menos para quem conhecia a banda (e os que desconheciam de certeza não voltarão a esquecer o nome de Future Islands). Os momentos altos foram “The Chase” e como é óbvio “Seasons (Wainting on You)”, uma das melhores músicas dos últimos anos. Fiquei com vontade de vê-los novamente, e a avaliar pela reacção que tiveram (e pelo facto de acreditar que o palco Heineken deve ter ficado abalado nas suas estruturas), o regresso não há-de tardar.

James Blake – 10 de Julho: terceiro grande concerto do dia, o músico, compositor e produtor inglês regressou ao passeio marítimo de Algés e voltou a ser brilhante, conseguiu silenciar o ruído que à distância advinha do concerto dos The Prodigy. Plateia numerosa, entusiasmada e silenciosa quando necessário, ouviram, sonharam e ficaram com a alma cheia, com a electrónica misturada com a soul da sua belíssima voz. Ao vivo James Blake é calmo, tranquilo, mas de uma intensidade indescritível, há algo de mágico e belo na sua música. Usou e abusou com mestria dos loops e dominou na perfeição a electrónica mais experimental, fez-se acompanhar por dois músicos não menos brilhantes (na bateria Ben Assiter e nos sintetizadores o produtor e DJ Rob McAndrews, conhecido como Airhead). Dois discos memoráveis, são o seu repertório e revistou-os com a sua genialidade, “Limit To Your Love” (cover de Feist), “Overgrown”, “Retrogade”, “Voyeur” e “The Wilhelm Scream”, foram recebidas com o entusiasmo e a excitação que James Blake merece. Foi lindo, e etéreo. Aproveito só para fazer um apelo: quero urgentemente assistir a um concerto de James Blake em nome próprio numa sala fechada!

Dead Combo – 11 de Julho: muito bom este concerto. Bem se calhar muito bom é pouco. Excelente se calhar não é suficiente. Terá sido o melhor do dia? Sem dúvida, mas mesmo assim não acho suficiente para descrever o quão magnífica e genial foi esta apresentação dos portugueses Dead Combo. Tó Trips e Pedro Gonçalves apresentaram-se num formato mais rock que o habitual e para isso contaram com a colaboração do músico Isaac Achega e Sérgio Nascimento (bateria). Pedro Gonçalves desta vez não se limitou à sua guitarra e ainda navegou por diversos instrumentos: contrabaixo, piano, percussão e escaleta, mas é na guitarra que ele se transforma e em conjunto com Tó Trips levam o público à loucura e ao êxtase. Ao vivo nunca desiludem, já os tinha visto em duas ocasiões anteriores e parece que cada vez são mais intensos, viajaram pelo rock, pelo fado, pelo jazz, pelos blues e pelos clássicos westerns americanos, não se esqueceram de “Povo que Vais Descalço”, incendiaram o palco Heineken com “A Bunch of Meninos” e despediram-se, com uma dedicatória à Grécia, com a sua bandeira sob pano de fundo. O público venerou-os no seu “altar” e elevou-os à categoria de “deuses”, com certeza converteram mais alguns infiéis à religião Dead Combo.

Sam Smith – 11 de Julho: após a cirurgia a que foi submetido às cordas vocais Sam Smith regressou ao passeio marítimo de Algés e receava pela qualidade vocal. Há certos fenómenos que não precisam de fazer muito para terem direito a uma recepção entusiasmada e por vezes histérica (como foi o caso dos Kodaline, dia 11 de Julho) percebi que há fenómenos musicais que têm uma claro justificação e razão de ser. Samuel Frederick Smith de apenas 23 anos, entrou em palco, visivelmente mais magro, e cedo fez questão de relembrar que no ano transacto tinha actuado no palco Heineken perante uma multidão, (também lá estive) e reconheceu ainda o nervosismo que sentiu antes de entrar em palco nesse dia 11 de Julho de 2014. Desta vez teve direito a palco principal, uma multidão muito mais numerosa e justificou plenamente a promoção. Em palco apresentou-se com uma banda competente e três backing vocalists, cantou e encantou com as canções do seu único álbum “In the Lonely Hour”, de onde não faltaram os êxitos “Like I Can”, “Money on My Mind”, “I’m Not the Only One” e “Lay Me Down”. Apesar de ser um disco deprimente, como o próprio assumiu, Sam Smith mostrou-se simpático, apesar de algo tímido, comunicativo, e visivelmente emocionado quando cantou “I’ve Told You Now”. Ainda teve tempo para revistar duas versões de Amy Winehouse “Tear Dry On Their Own” e de Elvis Presley “I Can’t Help Falling In Love With You”, não se esqueceu de “Latch”, canção dos Disclosure que tornou a sua voz mundialmente conhecida e terminou ao som do seu mega-êxito “Stay With Me”. A sua voz é impressionante, não falha nem por um segundo, recheada de soul, agudos perfeitos, usa e abusa dos falsetes e passa com distinção e nota máxima. Apesar de não ser o maior apreciador da sua música é impossível não reconhecer que o êxito que tem, é de todo merecido e justificado. Caso alguns cépticos tivessem dúvidas, Sam Smith dissipou-as todas. Refiro ainda que além de todas as qualidades que apresenta, nota-se uma enorme humildade, o espectáculo é seu e o público está lá unicamente para o ouvir, mas não se inibe a passar esporadicamente para segundo plano para deixar a sua banda e fundamentalmente os seus cantores de suporte (duas mulheres e um homem) brilharem e demonstrarem as suas poderosas vozes. Acredito que voltará em breve para um concerto em nome próprio.

The Jesus & Mary Chain – 11 de Julho: apesar de serem cabeças de cartaz em alguns dos festivais europeus, no Nos Alive tiveram apenas direito ao palco secundário, no entanto não se fizeram rogados e provaram que se mantêm em excelente forma. Este concerto era comemorativo e marcava o trigésimo aniversário da edição do extraordinário disco de estreia “Psychocandy”. Sem direito a ecrãs gigantes ligados, possível exigência da banda, os The Jesus and Mary Chain, mostraram o seu rock alternativo que influenciou gerações, e deram um concerto arrebatador, com a sua sonoridade a remeter-nos para os anos 80 e 90, e que saudades tenho desses tempos, em que se fazia música sem recurso a artefactos, fogo de artifício, confetis, e afins. Eles valem pela música que fazem e nisso são dos melhores, excelentes executantes, sem serem expansivos ou muito comunicativos, mas também ninguém esperava isso deles, esperavam rock puro e duro com um toque de punk e muito revivalismo e foi isso mesmo a que tiveram direito. Começaram o concerto com a incrível “Just Like Honey” primeira faixa do disco e terminaram com a última canção de Psychocandy, “It’s So Hard”, quatorze canções sem mácula. Mas para surpresa não ficaram por aí e ofereceram, três prendas aos fãs “Head On” de “Automatic”, “Some Candy Talking” extraída do EP homónimo e “Reverence” de “Honey’s Dead”.

Nesta edição do Nos Alive 2015 pude assistir a alguns belos concertos, mas notou-se claramente que este foi um dos anos em que o festival apresentou o cartaz mais heterogéneo, o que permitiu a junção num só espaço de amantes de música de diversos sectores. Se isso é bom? Deixo que cada um decida por si, eu tenho a minha opinião bem formada. Termino com um desabafo: os festivais de música estão-se a tornar festivais de muita coisa mas cada vez menos festivais de música, felizmente não são todos.

Até ao próximo mês, até lá não se esqueçam de ouvir boa música…

Click to comment

Mais Lidos

loading...
To Top