Desporto

As 10 Transferências Mais Surpreendentes do Mercado Futebolístico

loading...

Findado o prazo de transferências dos principais campeonatos de futebol é tempo de cada adepto do desporto rei esperar uma boa época da sua equipa, ver em acção cada reforço, despedir-se de velhos ídolos e fazer um balanço daquilo que foi o comportamento dos responsáveis do seu clube em mais um agitado período de entradas e saídas de jogadores. Eu por cá, faço um balanço daquelas que considero serem as transferências mais surpreendentes do defeso e explico o porquê de cada uma me ter surpreendido. Valores económicos astronómicos, trocas por rivais, preços demasiados baixos e idas para clubes improváveis ou ligas periféricas são algumas das razões que o caro leitor irá encontrar neste artigo. Venha daí.

10ª. Sami Khedira – Real Madrid para Juventus

khedira

O internacional alemão Sami Khedira trocou o Real Madrid pela Vecchia Signora, a Juventus, e ao equipamento branco junta umas riscas pretas. Aos 28 anos, o muito completo médio defensivo, que foi campeão do mundo no Brasil sai do clube que representou de 2010 a 2015 a custo zero. Sim, a troco da nada. Não foi muitas vezes titular no último ano e, devido a lesão, logo surpreende imenso que um clube como o Real Madrid deixe sair um jogador da sua qualidade assim, especialmente quando não tem melhores médios defensivos no seu plantel. O ano passado, o Real contractou Lucas Silva que este ano foi emprestado ao Marselha e este ano recuperou Casemiro que tinha estado emprestado ao F.C Porto. Nenhum deles tem a qualidade do alemão que é, sem dúvida, um dos melhores médios defensivos do mundo. Quem agradece é a Juventus que consegue um bom substituto para atenuar as saídas de Pirlo e Vidal do seu meio-campo.

9ª. Mário Balotelli – Liverpool para AC Milan
balotelli

Porque surpreende esta contratação? Surpreende por diversas razões. Surpreende ainda existirem clubes interessados num jogador, que apesar de muito talentoso, está constantemente associado a problemas e mau comportamento, dentro e fora do relvado e que tenha tão pouco rendimento desportivo como Mário Balotelli. No último ano em Anfield Road marcou apenas quatro golos (maldita a hora em que Brendan Rogers o elegeu para substituir Luis Súarez) e foi mais o que prejudicou o Liverpool que outra coisa. Clube que até lhe dera uma oportunidade de se recompor enquanto futebolista depois de uma fraca passagem pelo AC Milan. Sim, isso mesmo, o clube que agora lhe dá outra “derradeira” oportunidade depois do bad boy italiano ter feito má figura e pouco ter jogado futebol pelos rossoneri. É incrível como são dadas tantas oportunidades a Balotelli e como ele as decide desperdiçar. É ainda mais incrível que um clube da dimensão do Milan, um dos grandes europeus que agora se tenta reerguer, após contratar Carlos Bacca, Luiz Adriano e ainda manter aquele que considero ter sido o seu melhor jogador o ano passado, Jérémy Ménez, ainda tenha procurado outro ponta-de-lança e logo, Mário Balotelli. Esperemos que o clube acerte, mas é complicado sabendo-se de quem se trata.

 8ª. Robin Van Persie – Manchester United para Fenerbahçe SK
vanpersie

Após uma temporada menos conseguida ao serviço dos Red Devils o experiente avançado holandês decide rumar a uma liga periférica e juntar-se a Nani, Bruno Alves, Raúl Meireles e companhia no Fenerbahçe e contribuir para a qualidade de jogadores que agora jogam na Turquia. É um enorme reforço para o clube que consegue assim um dos melhores jogadores que a Premier League teve nos últimos anos, quer quando vestiu a camisola do Manchester United quer quando vestiu a camisola do Arsenal e a troco de apenas 4,7 milhões de euros. Incrível! Seria útil para a grande parte das equipas de Inglaterra e outras grandes equipas europeias, e surpreende que decida sair da alta rota do futebol aos 32 anos de idade. Não é um jovem mas também está longe de ser um veteraníssimo. Quem agradece é Vítor Pereira.

7ª. Raheem Sterling – Liverpool para Manchester City
Raheem-Sterling-Man-City

Grande contratação do milionário clube inglês! Raheem Sterling, o extremo inglês de 20 anos, troca o clube que em si tanto apostara, o Liverpool, por um concorrente directo, o Manchester City. Troca o clube e troca um ordenado bom por um ordenado milionário. Foi uma surpresa Sterling ter forçado a sua saída do Liverpool e foi ainda mais surpreendente aquilo que o Manchester City pagou por um jovem como ele, nada mais, nada menos do que 68 milhões de euros! É já o jogador inglês mais caro de sempre da história do futebol e ainda nem é um jogador totalmente feito! Desportivamente acredito que vá render, financeiramente acho um exagero aquilo que o Manchester City desembolsou por ele. Tem muito talento e é um jogador para durar muitos anos, no entanto haviam opções melhores, sobretudo mais baratas, no mercado.

6ª. Anthony Martial – Mónaco para Manchester United
martial

Os 49 milhões de euros que podem chegar aos 89 milhões de euros, surpreendem-no? A mim também. Estes foram os valores avançados pela comunicação social sobre o negócio que o Manchester United acabou de fechar com o clube monegasco, pelo jovem avançado de 19 anos, Anthony Martial. Conhecido por alguns, desconhecido pela maioria a verdade é que o avançado francês é muito talentoso e não é por acaso que lhe chamam de novo Henry. Rápido, objectivo e de remate fácil foi um jogador que o Mónaco tinha adquirido ao Lyon por apenas 5 milhões e que agora se transformam numa verdadeira fortuna. Mérito para o treinador português, Leonardo Jardim, que soube potenciar o jovem jogador e demérito para o Manchester United que deixou chegar o fim do mercado para contratar um ponta-de-lança. Uma medida de desespero creio eu. Se um projecto de jogador vale tanto, quanto valerá um jogador feito? Deixo a questão no ar.

5ª. Petr Cech – Chelsea para Arsenal

petr-cech-arsenal-unveiling_1obpqzsw80e5s15k19j7icjtjq

O Arsenal é rival do Chelsea. Arsène Wenger é rival de José Mourinho. Uma das lacunas do Arsenal era a baliza. Petr Cech é guarda-redes. O que levou Mourinho a aceitar perder um grande guarda-redes e a reforçar um adversário directo? Não sei. O que é certo é que aconteceu mesmo. 11 anos e 494 jogos depois, o checo, que já era um símbolo do Chelsea, mudou-se para outro clube de Londres para provar que sempre teve, e ainda tem, imensas capacidades e que é um dos melhores do mundo entre os postes. Quem perde é Mourinho que o ano passado teve de apostar de vez no jovem e não menos talentoso, Thibaut Courtois, e quem ganha é Wenger, que ao fim de muitos anos, lá volta a ter um guarda-redes ao nível daquilo que Gunners merecem. Uma das grandes surpresas do defeso, sem dúvida!

4ª. Bastian Schweinsteiger – Bayern Munique para Manchester United

maxresdefault

Trocar um colosso por outro colosso é normal. Trocar um clube da dimensão do Bayern de Munique por um clube da dimensão do Manchester United é praticamente equivalente. Até aqui tudo normal na mudança do médio alemão, Schweinsteiger, campeão do mundo pela Alemanha e campeão da Europa pelo Bayern para a cidade de Manchester. O médio já não é o mesmo que foi outrora e no último ano esteve em claro sub-rendimento (sofreu algumas lesões), no entanto, continua a ser um médio de classe mundial e um símbolo do clube da Baviera. Os adeptos bávaros adoram-no, o próprio jogador adora o clube tendo estado por lá 14 anos. O que o levou a sair? O dinheiro não terá sido. A minha aposta é que a sua relação com treinador Guardiola não era a melhor. É triste para um clube que é conhecido por ter os melhores jogadores alemães que deixe sair um deles. Um pouco incompreensível até. Bastian merecia terminar a carreira (ainda nem é demasiado velho) no clube do seu coração e junto dos adeptos que o idolatram, não noutro país ou clube. Ainda para mais, embora não seja um jovem, sai por valores que não fazem jus à sua qualidade, especialmente quando comparados com os valores de outras transferências neste mesmo mercado. Saiu por menos de 20 milhões. O clube que o comprou pode chegar a pagar quatro vezes mais por Martial…

3ª. Pedro Rodríguez – Barcelona para Chelsea
pedroreuters-m

As razões que me levaram a colocar Schweinsteiger nesta lista são praticamente as mesmas que me levam a colocar o extremo/avançado espanhol de 28 anos. Vindo de La Masia, a escola de formação do Barcelona, Pedro Rodríguez é um jogador feito que ganhou tudo o que havia para ganhar em termos de títulos colectivos pelo Barcelona e pela selecção espanhola. Era um jogador acarinhado pelos adeptos culé e um jogador ligado a um período dourado da história do Barcelona. Com a chegada de Neymar e depois de Suárez, perdeu espaço na equipa do Barcelona, num trio que se completa com Messi. Era uma grande solução para o banco, mas tremendamente injusto para o jogador. É de admirar que o Barcelona deixe sair um dos seus símbolos, pouco tempo depois de ter perdido Xavi. Por outro lado, é de admirar a capacidade de José Mourinho de o “roubar” ao Manchester United e de o juntar a mais jogadores espanhóis no Chelsea. Com 28 anos está no ponto da maturidade futebolística e por uma transferência de 30 milhões nem se pode dizer que foi caro. Enorme contratação e uma bela surpresa!

2ª. Carlos Tévez – Juventus para Boca Júniors
tevez-cropped_1hirhdrefs19u1v1fwfluakb8c

Por esta transferência poucos esperariam. Carlos Tévez esteve a um passo de ser campeão europeu pela Juventus, após ter perdido na final frente ao Barcelona. O potente avançado argentino fez, aos 31 anos, uma das suas melhores épocas de sempre, apontou 20 golos na liga italiana e foi o melhor jogador. Está no seu pico de forma e era pretendido por diversos clubes europeus. A própria Juventus não o queria perder. Tinha contracto mas pediu ao clube italiano para o deixar sair. Motivo? O coração falou mais alto. O clube da sua vida e aquele pelo qual começou a jogar aos 11 anos de idade chamou por ele. E ele foi. Directo à sua aficione e ao mítico estádio, La Bombonera. E porque razão trocou a Europa pelo seu país no topo da sua forma? Porque nas suas palavras queria jogar no clube do seu coração enquanto pudesse contribuir para o sucesso do clube e não apenas para terminar a carreira. Grande exemplo Apache!

1ª. Iker Casillas – Real Madrid para FC Porto

maxresdefault (1)

Sim, na minha opinião, a maior surpresa de todo o defeso futebolístico foi feita em Portugal. Iker Casillas, capitão do Real Madrid e figura incontornável daquele que foi considerado o melhor clube do Século XX, saiu do clube do seu coração, onde esteve 25 anos e conquistou todos os troféus que poderia ter conquistado, mudando-se agora para a Cidade Invicta. Nunca pensei ver Casillas jogar noutro clube que não o Real Madrid, simplesmente não conseguia imaginá-lo com a camisola de outro clube. É o melhor guarda-redes da história de um dos melhores clubes do mundo. Estava lá desde miúdo e ainda não é assim tão veterano (especialmente para guarda-redes, onde a carreira tende a esticar-se) e ainda há pouco tempo tinha levantado a décima taça dos campeões europeus pelo Real Madrid. Era capitão e admirado por grande parte dos adeptos. Ganhou tudo pelo seu país e é um futebolista mediático como poucos. Não percebo como é que o Real Madrid deixa sair assim, um dos seus símbolos e ao fim de tanto tempo. Não compreendo de todo uma saída tão fria do clube. E também me custa a crer que, no meio de tantos colossos europeus onde ainda teria lugar (continua a ser um dos melhores, digam o que disserem os mais críticos), tenha escolhido vir para Portugal para jogar pelo Futebol Clube do Porto. É uma honra ter um jogador com o historial de Iker Casillas no nosso campeonato, seja qual for a equipa que represente. Para vocês, seja qual for o vosso clube, apreciem a sua vinda, porque transferências tão surpreendentes como esta não voltaram a acontecer tão cedo.

 

E o caro leitor, gostou do artigo? Diga-nos quais foram as transferências que mais o surpreenderam a si!

1 Comment

Mais Lidos

loading...
To Top