Entretenimento

Tricentenário do Palácio Nacional de Mafra (1707-2017)

loading...

Em 1717, foi lançado a primeira pedra da Basílica do Palácio Nacional por D. João V. Até Novembro é possível visitar a Escola de Armas com visitas gratuitas, especialmente às zonas interditas.  No entanto, o elemento arquitectónico para a comunidade em geral é um pouco “esquecido” do seu legado. Deste acontecimento histórico é relatado na obra emblemática de José Saramago, publicada em 1982 – “Memorial do Convento”.  Esta obra marcou os eleitores, seja pelo amor à escrita ou pelo ódio no estudo para os exames nacionais!

São 300 anos de vida desde o acontecimento.  Porque é tão importante o lançamento da primeira pedra?

O lançamento da pedra teve um papel importante no contexto do reinado de D. João V, reivindica as características inerentes à personalidade excêntrica, própria do estilo barroco.  De acordo com o Investigador do Instituto de Ciências Sociais, Doutor Nuno Gonçalo Monteiro, a constituição das celebrações e das bibliotecas fornece uma imagem do Reinado D. João V numa dimensão megalomaníaca. Contudo, é sobretudo a pintura e a arquitectura que demarca o período de esplendor deste Rei pertencente à Dinastia de Bragança.

Retrato de D. João V Fonte: Direcção Geral do Património Cultural (DGPC), Museu de Arte Antiga

“O papel dos diplomatas joaninos em Itália na encomenda de obras de arte e no recrutamento de artistas e músicos não deve ser esquecido, uma vez que contribuiu decisivamente para a imagem de grandeza que D. João V procurava associar à corte de Lisboa.” (Nuno Gonçalo Monteiro, 1999)

D. João V (1689 -1750), Rei de Portugal e do Algarve, apelidado de “Magnânimo” foi o quarto Rei da Dinastia de Bragança, entre o período de 1707 a 1750. Actualmente do seu  legado, de maior dimensão, ainda se mantêm com o Palácio Nacional de Mafra e no Aqueduto das Águas Livres.

O estilo barroco marcado durante o seu reinado demarca-se de uma forma tardia relativamente ao resto da Europa, que já o usava desde 1600.  Depois da crise política e o final da Restauração, e da sucessão de D. Afonso VI e D. Pedro II, o barroco como é conhecido é destacado especialmente durante o reinado de D. João V. Importa referir que foi um período de esplendor ao nível das artes e das infraestruturas que foram apenas abaladas com o Terramoto de 1755.

 

Real Convento de Mafra,  Fonte: RTP

Face à imponência do Palácio Nacional de Mafra, iniciada as suas obras de 1717  e terminadas em 1730, consegue-se perceber o carácter de “magnânimo”. Desde a magnifica biblioteca, que contêm os manuscritos censurados, até aos corredores perfeitamente alinhados e destinados à procedência cortez do encontro entre o Rei e a Rainha para proceder o dever de conceber herdeiro.

No século XVIII era muito importante ter sucessores, herdeiros que dessem continuidade ao nome da família. Na Monarquia, tinha uma importância ancestral! Era notória a questão dos sucessores e a pressão a que eram submetidas as Rainhas para darem um herdeiro ao Rei do Povo Português. Durante o reinado de D. João V reviu-se essa necessidade no seu casamento com D. Maria Ana de Áustria. Assim, o Rei  prometeu a construção do Palácio, se a Rainha engravidasse. O lançamento da primeira pedra marcou o inicio da construção do mesmo. Dos monumentos portugueses é o que se destaca mais do estilo barroco. Foi decretado Monumento Nacional pelo Decreto de 10 -1-1907 e pelo Decreto de 16-6-1910.

Assim reflectido o contexto por detrás desde monumento, importa referir as iniciativas culturais para a comunidade, para conhecer um pouco do legado do Reinado D. João V. Revisto assim a excentricidade própria do Barroco, podemos destacar o que temos e devemos valorizar do nosso património português.

2. Iniciativas culturais para a comunidade

Para 2017,,foram preparadas um conjunto de iniciativas por parte da Direcção Geral do Património Cultural (DGPC) e Palácio Nacional de Mafra. Em termos de programa geral, apresentamos as iniciativas de acordo com site institucional do “Palácio Nacional de Mafra” para o Mês de Novembro:

12 de Novembro – 08h00
Terreiro D. João V – Corrida do Rei (Informações com Roteiros de Aventura)

17 de Novembro – 09h00
Palácio Nacional de Mafra – Conferência–  Do Tratado à Obra

17 de Novembro – 19h00
Palácio Nacional de Mafra – Inauguração da exposição Do Tratado à Obra

17 de Novembro – 22h00
Concerto evocativo do Lançamento da 1ªPedra da Basílica de Mafra (entrada livre)

Antes de terminar esta temática, tenho um conselho a dar. Não deixem de visitar a Biblioteca! A Biblioteca é um local a visitar e vislumbrar com a quantidade de obras. Apesar de não estarem disponíveis à consulta, é de referir que têm um espólio aproximado de 36.000 volumes!!

Por fim, visitem Mafra. Valorizem o património português.

 

1 Comment

Mais Lidos

loading...
To Top